Zilá defende 30% das vagas no parlamento para as mulheres

NULL
Lucas de Campos 26 maio, 2015 Fonte:

Embora representem mais da metade da população no país, e do eleitorado, as brasileiras ainda são minoria em cargos eletivos. O Brasil comandado por uma mulher há mais de quatro anos, amarga uma das piores colocações no ranking mundial de presença feminina no Parlamento. “O Brasil subiu dez posições em relação ao mesmo levantamento feito em 2014. Mesmo assim ainda temos muito a avançar, a igualdade de gêneros no nosso Congresso é muito inferior da registrada em países vizinhos. A Bolívia é a segunda colocada na pesquisa. A Argentina ocupa o 22º lugar. Ruanda, onde 63% do Parlamento é formado por mulheres, lidera a lista”, enfatiza a deputada estadual Zilá BreitenbachA parlamentar que é líder do PSDB na Assembleia Legislativa do RS lamenta que no Estado o número de mulheres no parlamento não foi ampliado. “A cota de 30% de candidaturas femininas, vigente na legislação eleitoral desde 1995, não tem sido suficiente para que as mulheres sejam mais presentes nos cargos eletivos. Por isto defendo que 30% das vagas nos parlamentos sejam garantidas as mulheres. Todos os países que possuem os melhores índices de igualdade entre homens e mulheres, como a Suécia e a Dinamarca, já tiveram políticas de cotas”, salienta a deputada.

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.