Soja: queda na produtividade preocupa agricultores de Mato Grosso

NULL
Lucas de Campos 6 fevereiro, 2015 Fonte:
Os próximos dez dias ainda serão de pouca chuva em Mato Grosso. De acordo com Marco Antônio dos Santos, agrometeorologista da Somar Meteorologia, as precipitações devem acontecer quase todos os dias, mas em forma de pancadas de chuva. “A chuva que faltou em janeiro não deve cair em fevereiro, nem em março. Por isso, não irá atrapalhar a colheita de soja”, diz o especialista.
 
Entretanto, os produtores rurais ainda estão preocupados com a pouca chuva que está atingindo Mato Grosso. Em muitas lavouras, a fase é de enchimento de grãos e a estiagem prejudica a produtividade. “De forma geral, os agricultores de todas as regiões que já iniciaram a colheita estão relatando produtividades abaixo da média esperada para esta safra”, diz Nery Ribas, diretor técnico da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).
 
Um levantamento informal da Aprosoja revelou que na região Leste, onde a colheita está iniciando, a produtividade está baixa e não há muita pressão de pragas ou ferrugem asiática. Já na região Norte, onde historicamente a colheita é finalizada mais cedo, a produtividade das lavouras está sendo afetada pela incidência de pragas, especialmente mosca branca.
 
Na região Sul, os problemas foram encontrados em áreas mais arenosas que foram prejudicados pelo tempo seco. Porém, a chuva começou a regularizar e a produtividade deve ser bem variada. Na região Oeste, há áreas onde não chove há mais de um mês e os problemas ocorrem nas áreas que plantaram mais cedo. Há relatos de grande pressão de pragas, como mosca branca e lagarta falsa-medideira.
 
Marco Antônio dos Santos relata que de 1º de fevereiro a 30 de maior vai chover abaixo da média para o período. “O final do mês de fevereiro e a primeira quinzena de março pode ser um problema, pois deve ser um período muito chuvoso”, explica. O tempo deve ser propício para as lavouras de milho, pois as chuvas devem ser frequentes até 20 de abril, pelo menos, segundo o especialista.

 

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.