Soja: mercado fecha sessão com ganhos

Outro fator que também contribuiu para o suporte nos preços da soja, ainda na visão dos analistas, foi o anúncio da venda de 190 mil toneladas do grão para destinos desconhecidos. O volume comprometido deverá ser entregue na temporada 2015/16. As informações foram divulgadas pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quarta-feira.
Lucas de Campos 26 novembro, 2015 Fonte:

As principais posições da soja negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) fecharam o pregão desta quarta-feira (25) em campo positivo. Durante a sessão, os futuros da oleaginosa ampliaram os ganhos e encerraram o dia com altas de mais de 11 pontos. O vencimento janeiro/16 era cotado a US$ 8,75 por bushel, depois de iniciar a US$ 8,66 por bushel.

O consultor de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, pondera que, as cotações acabaram encontrando sustentação nas informações sobre o clima no Sul do Brasil. "O excesso de chuvas têm pode comprometer a produtividade das lavouras. E, também hoje os investidores estão tentando se proteger frente ao feriado do Dia de Ação de Graças, comemorado nesta quinta-feira (26) nos EUA", explica.

No Paraná, o volume de chuvas acumuladas em novembro na região de Londrina já ultrapassam os 400 mm. Com isso, o presidente do Sindicato Rural do município, Narciso Pissinati, ressalta que a perspectiva é de quebra ao redor de 20% no rendimento das lavouras que pode ficar próximo de 50 sacas do grão por hectare. Por outro lado, o clima mais úmido aumenta a preocupação com o aparecimento das doenças, principalmente a ferrugem asiática.

No caso do Centro-Oeste, também há preocupações com o clima, que permanece bastante irregular. No maior estado produtor do Brasil, Mato Grosso, a semeadura está completa em pouco mais de 89,7%, contra a média dos últimos cinco anos, de 93%. "Temos muitos relatos de replantio, que deve ser um dos maiores dos últimos 10 anos no estado. E também observamos uma corrida para obter sementes", completa Brandalizze.

Outro fator que também contribuiu para o suporte nos preços da soja, ainda na visão dos analistas, foi o anúncio da venda de 190 mil toneladas do grão para destinos desconhecidos. O volume comprometido deverá ser entregue na temporada 2015/16. As informações foram divulgadas pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quarta-feira.

Paralelamente, a Argentina continua no foco dos investidores, que aguardam o que irá acontecer em dezembro. Com a eleição do novo presidente do país, Maurício Macri, a perspectiva é que haja uma redução das taxas de exportação da soja por três meses, já a partir de dezembro. A projeção é que cerca de 11 milhões de toneladas do grão ainda estejam mãos dos agricultores.

"Acreditamos que as mudanças irão acontecer de maneira gradual e cada produtor argentino terá a sua estratégia. Porém, é fato que o Brasil terá um competidor forte com a redução das tarifas para exportação no país", pondera o analista de mercado da Cerealpar, Steve Cachia.

E, além das questões fundamentais, o analista ainda ressalta outros fatores que influenciam o andamento das negociações. "Como o geopolítico, depois dos atentados na França o dinheiro especulativo entraram em postura de aversão ao risco e as commodities agrícolas sofreram. Os investidores se retraíram diante da incerteza em relação ao que vai acontecer", acredita.

Mercado interno

Apesar das altas registradas no mercado internacional e do dólar, as cotações da soja nos portos brasileiros registraram ligeiras quedas nesta quarta-feira (25). Em Rio Grande, a saca disponível caiu 1,37%, para R$ 79,00, já o preço futuro terminou o dia a R$ 75,70, com perda de 0,39%. No terminal de Paranaguá, o preço futuro permaneceu estável em R$ 74,00/sc. Já a cotação da soja disponível subiu 0,62%, com a saca a R$ 81,50.

O dólar, por sua vez, subiu 1,26% para R$ 3,7506 na venda, porém, ao longo do dia chegou a subir mais de 2,80% e tocou o patamar de R$ 3,8077 na venda, na máxima da sessão. Segundo informações da agência Reuters, a moeda norte-americana foi impulsionada pela prisão do líder do governo no Senado, senador Delcídio do Amaral (PT- MS). O fato elevou as preocupações com as medidas de ajuste fiscal que ainda precisam do aval do Congresso.

Apesar das oscilações nos preços, os analistas ainda sinalizam que os produtores brasileiros estão mais focados no plantio da soja nesse momento. Entretanto, os especialistas ainda orientam aos produtores que têm soja da safra velha a participarem do mercado aos poucos. "Da safra nova, o volume negociado antecipadamente é expressivo e nesse instante, as cotações não estão convidativas à realização de novos negócios", disse o economista e analista de mercado da Granoeste Corretora de Cereais, Camilo Motter.

Confira como fecharam os preços nesta quarta-feira:

>> SOJA

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.