Situação dos bombeiros se agrava em função de corte nas horas extras

NULL
Lucas de Campos 29 maio, 2015 Fonte:

A falta de efetivo já é histórica junto a instituição Corpo de bombeiros, porém a situação está se agravando ainda mais com o corte de horas extras.O Decreto lançado em janeiro deste ano pelo governo do Estado, que visa a contenção de despesas, está colocando também a população missioneira em risco, por causa da diminuição drástica do número de bombeiros de serviço por dia.Este foi o alerta do coordenador regional da Associação de Bombeiros do Rio Grande do Sul-ABERGS, Francisco Leandro de Oliveira, durante entrevista hoje no programa Aldeia Global. Conforme ele, em algumas seções de combate a incêndio estão trabalhando só três bombeiros, enquanto o ideal seria de no mínimo seis homens.O responsável pela coordenadoria regional da Abergs apresentou dados sobre as condições de alguns municípios da região. São Luiz Gonzaga: o efetivo existente é de 21 bombeiros, enquanto o necessário seria 30; São Borja: o efetivo é de 18, mas o ideal seriam 36 bombeiros; Giruá: efetivo conta com 18 bombeiros, quando precisaria de 28; Santo Ângelo: efetivo é de 18, mas teria que ter 35. Leandro também citou Santa Rosa (efetivo é de 27, quando precisaria 40), que não faz parte da região, mas a corporação atende alguns municípios da AMMFrancisco de Oliveira, disse que algumas soluções precisam ser implementadas com urgência, destacando a nomeação dos novos concursados para bombeiros, que são 571 aprovados para 400 vagas. A outra é que a Casa Civil dê andamento às legislações estruturantes, provenientes da Emenda Constitucional 67/12, que emancipou o Corpo de Bombeiros da Brigada Militar.Francisco Leandro explicou que o concurso não vai sanar o problema, mas amenizará a falta de segurança. Ele disse que a intenção é mostrar a real situação da categoria perante a comunidade, pois caso ocorra um sinistro mais grave em alguma cidade da região, a corporação Bombeiros não terá como prestar o devido socorro esperado pela população, devido à total falta de material humano.

 
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.