‘Quero que ele fique longe’, diz jovem que teve mãos decepadas pelo companheiro

A gaúcha Gisele Santos, 22, teve as duas mãos decepadas pelo companheiro, Élton Jones Luz de Freitas, 26, quando decidiu romper definitivamente o relacionamento abusivo de sete anos.
Lucas de Campos 14 agosto, 2015 Fonte:

 A gaúcha Gisele Santos, 22, teve as duas mãos decepadas pelo companheiro, Élton Jones Luz de Freitas, 26, quando decidiu romper definitivamente o relacionamento abusivo de sete anos.

No último dia 2, o homem usou um facão para golpear a cabeça, ferir a barriga e pernas e cortar as mãos e os pés de Gisele na casa em que moravam, em São Leopoldo (região metropolitana de Porto Alegre).

Ela chegou a se fingir de morta para tentar escapar dos golpes. Freitas se entregou à polícia e está preso. Os pés de Gisele foram reconstruídos em cirurgia, mas as mãos não foram recuperadas. A jovem precisará de próteses para as mãos e de fisioterapia para voltar a caminhar. 

 Não estudo e não trabalho. Larguei a escola na sétima série, aos 15 anos, porque ele disse pra eu não ir mais. Ele não queria que eu trabalhasse. Ele era meu vizinho e foi meu primeiro namorado.

No início era tudo ótimo, até eu descobrir as traições e que ele usava drogas. Ele falava que nunca chegou a me trair de fato. Morávamos juntos com minha família, mas sofria agressões quando ninguém estava. As coisas pioraram há dois meses, quando passamos a morar sozinhos.

Ele tinha ciúmes de todos os meninos, eu não podia aceitar convite para adicionar perfis em redes sociais, não podia falar com os ex-colegas do colégio. Não tinha contato com ninguém, somente com umas gurias.

Ele saía para trabalhar e eu ficava em casa cuidando de tudo. A mãe dele o incentivava. Por exemplo, ele queria comer um bolo. Eu tentei e não deu certo. "Não vou mais fazer, vou comprar", eu pensei. Daí a mãe dele dizia para ele que ele tinha que quebrar minha cara a pau.

Ele me agrediu diversas vezes durante o relacionamento, e eu sempre me defendi. Eram socos, tapas e empurrões. Uma vez foi a pior de todas. Ele me deu uma "voadora" com o pé enquanto eu estava tomando banho. Escorreguei na água e bati as costas e a cabeça no chão. "Eu podia ter morrido", eu disse.

Foi um dos piores momentos. Depois que ele fazia isso começava a chorar e a pedir perdão. Eu perdoava. Teve várias separações. Eu mandava ele embora, daí ele ia pra casa da mãe dele e ficava me pedindo perdão.

Quando decidi me separar definitivamente, em 2 de agosto, o pior aconteceu. "Tu vai sair de casa ou eu vou sair. Não tem mais perdão", disse.

"Perdão, perdão", ele chorava. "Não vou perdoar", eu disse. Quando tentei sair, ele fechou a porta e colocou a chave no bolso. Falei que ia gritar por socorro na janela e ele não deixou.

Peguei meu celular. Com uma mão eu tentava afastá-lo de mim e, com a outra, colocar a senha para desbloquear. Dei um chute e ele saiu para pegar o facão. Ele me encurralou em um canto e deu com tudo na minha cabeça.

"Não acredito que tu teve coragem de abrir minha cabeça!", disse, sentindo os cortes. Coloquei os braços e as mãos para proteger a cabeça, e ele simplesmente continuou. "Desgraçada!", ele gritava. Eu dizia que perdoava para ver se ele parava, mas ele continuou até o final. 

 Eu colocava as mãos e os pés na frente do corpo para me defender, e ele me cortava. Foram vários golpes nas minhas mãos. Gritava socorro. Ele estava descontrolado e queria me matar.

Depois, ele me chutou para perto da porta e me fingi de morta. Nessa hora, ele enfiou com tudo o facão na minha barriga e não consegui fingir porque senti dor.

"Tu estás viva ainda, desgraçada!", ele disse. Ele também feriu minhas pernas e pés. Fui perdendo a visão e só vi o vulto dele indo para o roupeiro. Ele pegou um casaco para tapar a camisa com sangue e me deu mais um chute para abrir caminho.

"Estou indo dar um beijo na minha mãe porque vou ser preso. E tu estás morta, desgraçada", ele disse. Eu achei que ia morrer. Quando ele saiu, eu gritei. Queria me despedir da minha mãe.

Uma vizinha me socorreu, porque quando ele saiu disse para me ajudarem. O Samu demorou para chegar.

Cheguei no hospital consciente, escutava eles falando. "Foi o marido que cortou ela toda", eles disseram. Depois eu apaguei. Acordei de verdade no outro dia e fui sedada. Divulgaram minhas fotos do hospital, "nua e toda picotada", em uma rede social.

Minha mãe disse que os médicos tentaram recolocar minhas mãos, mas não teve como. Os pés eles conseguiram. Vou ter que fazer fisioterapia para voltar a andar.

Minha mãe está cuidando de mim, tem muita gente me ajudando. Recebi diversas doações de fraldas e espero conseguir doação de próteses para as mãos.

Não consigo imaginar por que ele fez isso. Agredir é uma coisa, tentar me matar… Nunca imaginei.

Uma vez eu fui à delegacia para denunciar, mas o plantão estava fechado. Eu não contava pra ninguém que ele me batia. Só quero que ele pague a pena dele e fique bem longe de mim. 

 

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.