Procuradoria apresenta nova denúncia contra Joesley Batista

O empresário Joesley Batista - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Sepé Tiaraju 16 maio, 2018 Fonte: Agência Brasil

A Procuradoria da República da Primeira Região (PRR-1) apresentou uma nova denúncia contra os ex-executivos do grupo J&F Joesley Batista e Francisco de Assis e Silva, por corrupção ativa, violação de sigilo funcional, embaraço a investigações e lavagem de dinheiro.

Foram denunciados também o procurador da República Ângelo Goullart Vilella, o presidente da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal (OAB-DF), Juliano Costa Couto, o advogado Willer Tomaz e o publicitário André Gustavo Vieira.

A denúncia, que tramita sob sigilo, foi apresentada ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), com sede em Brasília, onde ficará sob relatoria da desembargadora Mônica Sifuentes.

Todos foram denunciados por uma suposta tentativa de Joesley e Francisco de pagarem uma “ajuda de custo” de R$ 50 mil mensais a Goulart para receber informações sigilosas em investigações contra os executivos. O procurador integrou a equipe da Operação Greenfield, que apura desvios em fundos de pensão.

Os demais acusados teriam participado como intermediadores do esquema, dividindo a propina que teria sido paga pelos empresários, com o objetivo de obter “resumos de informações e estratégias confidenciais e sensíveis da Força-Tarefa da Greenfield”.

Os crimes foram descritos pelo próprio Joesley e por Francisco de Assis em suas delações premiadas. No acordo de colaboração, a procuradoria-geral da República (PGR) havia se comprometido a não os denunciar, mas o órgão decidiu não cumprir mais o acordado após considerar que eles haviam ocultado informações importantes em seus depoimentos sobre outros casos.

Um primeiro pedido de rescisão do acordo foi feito ao Supremo Tribunal Federal (STF), em setembro do ano passado, pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sendo posteriormente reforçado por Raquel Dodge, atual PGR. A solicitação ainda não foi avaliada pelo relator, ministro Edson Fachin, o que significa que o contrato ainda vigora.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    MP apura denúncias de seis países diferentes contra João de Deus

    A força-tarefa criada pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) apurou denúncias de abuso sexual contra ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    COP25 será realizada no Chile em 2019

    O Chile será o país-sede da Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas, a ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    Fepam inicia divulgação das condições de balneabilidade no estado

    A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) lança, neste sábado (15), o Projeto Balneabilidade 2018-2019. ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.