Para expor problemas, entidades da segurança pública lançam jornal

NULL
Lucas de Campos 7 dezembro, 2015 Fonte:

A busca por valorização do trabalho e qualificação do serviço de segurança pública agora ganha um importante aliado: um veículo de informação. Produzido pelos sindicatos da Polícia Civil, Militar, Susepe, Perícia e Bombeiros o jornal A Sirene expõe importantes colocações acerca das conseqüências que cortes de gastos nas áreas da segurança podem ter para o bom funcionamento dos serviços públicos. O jornal entrou em circulação nesta segunda-feira, 7.

Para Luciano Dornelles, representante do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia (UGEIRM) é importante expor a situação que as categorias estão enfrentando, “Isso vai muito além dos problemas com pagamento dos salários, isso afeta os serviços que são prestados para a comunidade”, destaca.

Ederson Dorneles, Delegado do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado do Rio Grande do Sul, expõe a atual situação de trabalho da categoria, “Falta pessoal, os equipamentos estão sucateados e as viaturas não possuem verbas para concerto”, afirma. Ederson destaca ainda que hoje a Polícia Civil tem menor efetivo do que tinha nos anos 80, “Prisões em flagrante são homologadas por falta de vagas nos presídios”, diz.

Além disso, o fornecimento de alimentos nos presídios está sendo ameaçado já que o Estado não está pagando em dias os fornecedores.

De acordo com os sindicalistas, é importante discutir os problemas do Estado de uma forma diferente e mais aberta para que a população entenda como a crise atinge diretamente os serviços públicos.

O jornal A Sirene que ainda não possui sua periodicidade definida, está sendo distribuído de forma gratuita em vários pontos da cidade, inclusive, é possível adquirir um exemplar na Rádio Sepé Tiaraju.

 

Ouça a entrevista completa: 

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.