Novo rosto de Luzia: estudo desmonta teoria de migração para América

Sepé Tiaraju 8 novembro, 2018 Fonte: Agência Brasil

A teoria de que o povoamento das Américas teria se dado por duas levas migratórias vindas do nordeste da Ásia – com população de traços africanos e australianos – e outra de ameríndios semelhantes aos indígenas atuais acaba de ser desmontada.

Um estudo feito a partir de DNA fóssil, com amostras dos mais antigos esqueletos encontrados no continente, confirmou a existência de um único grupo populacional ancestral de todas as etnias da América.

Com isso, o rosto com traços marcadamente africanos de Luzia – como foi batizado o crânio da jovem paleoamericana descoberto na década de 1970 – foi redesenhado. Esta é a nova face de Luzia.

O trabalho foi desenvolvido por 72 pesquisadores de oito países, pertencentes a instituições como a Universidade de São Paulo (USP), Harvard University, nos Estados Unidos, e Instituto Max Planck, na Alemanha.

Os dados arqueogenéticos – que mesclam conhecimentos de arqueologia e genética – mostram que todas as populações da América descendem de uma única população que chegou ao Novo Mundo pelo estreito de Bering há cerca de 20 mil anos.

Pelo DNA, é possível confirmar a afinidade dessa corrente migratória com os povos da Sibéria e do norte da China. Os resultados da pesquisa foram publicados hoje (8) da revista científica Cell.

Reconstrução facial

A primeira reconstrução facial de Luzia, uma mulher que viveu em Lagoa Santa (MG) há 12.500 anos, foi feita na década de 1990 pelo especialista britânico Richard Neave.

As formas tiveram como base a teoria do professor Walter Neves, da USP, segundo o qual o povo de Luzia, que se refere ao conjunto fóssil encontrado em Minas Gerais no século 19, teria chegado à América antes dos ancestrais dos povos indígenas atuais.

A primeira leva, portanto, teria características africanas ou dos aborígenes australianos. A teoria usava como base de comparação a morfologia craniana que indicava que esse povo era muito diferente dos nativos atuais.

O arqueólogo André Menezes Strauss, do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, que coordenou a parte brasileira do estudo, explica que a contribuição de Neves permitiu saber que havia diferenças entre os habitantes ancestrais e os indígenas recentes, mas os estudos genéticos – com as tecnologias atuais – desmontam a tese dele de que essa diferença se deu no processo migratório entre continentes.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 20 fevereiro, 2019

    Ministro do STF dará mais um ano para Congresso compensar Lei Kandir

    O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse hoje (20) que concederá mais ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 20 fevereiro, 2019

    Prefeito em exercício mantém audiência com a comunidade

    Nesta quarta-feira, 20, o prefeito em Exercício, Dionísio Faganello recebeu uma visita familiar no gabinete ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 20 fevereiro, 2019

    Unimed Missões/RS investe na inclusão de cooperados e em novos serviços

    A cooperativa Unimed Missões/RS realiza constantes investimentos em serviços, infraestrutura e profissionais, buscando cumprir sua missão ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.