Frigoríficos Alibem e Callegaro enfrentam problemas com mobilização dos caminhoneiros

NULL
Lucas de Campos 27 fevereiro, 2015 Fonte:

Os bloqueios nas estradas seguem prejudicando as entregas e trazendo prejuízos para vários setores. Aqui em Santo Ângelo e nos demais municípios da região das missões já começam a faltar produtos considerados essenciais.

Na quarta-feira, os postos de combustíveis ficaram sem gasolina durante o período da tarde. O motivo foi a correria dos motoristas que temiam a completa falta do produto, o que provocou longas filas nos postos até o fim dos estoques.

Diante da falta de gasolina, a solução dos proprietários de carros flex foi abastecer com etanol. Inclusive no dia de hoje, os tanques já estão vazios. Tanto no posto Santa Terezinha como no Tiaraju, caminhões estão carregados e parados na BR distribuidora de Ijuí.

Outro setor que também já começa sentir com a falta de matéria-prima é o da construção civil. As lojas comerciais que vem esses produtos em Santo Ângelo estão com seus estoques de cimento comprometidos.

Luiz Prado, disse pela manhã que na sua empresa os estoques de areia e pedra brita são suficientes para suportar a demanda. Sua preocupação é com o cimento, pelo fato de que o produto não pode ser mantido por muito tempo em estoque.

Segundo ele, a situação é indefinida, pois suas três carretas estão paradas. “Não vou colocar na estrada, pois não sei se chegarão até o destino para carregar”, afirmou. Na terça-feira ele esperava uma carga de argamassa, que ainda não conseguiu sair da distribuidora em Carlos Barbosa.

Os depósitos de gás de cozinha também podem entrar em colapso caso a paralisação dos caminhoneiros prossiga. Na Missioneira distribuidora de gás, hoje pela manhã existiam apenas 250 botijões de 13Kg. O proprietário disse que está com um caminhão em Canoas para carregar neste sábado.

Já na Liquigás, o estoque é um pouco maior. São 950 botijões de gás de cozinha, 12 botijões de 45Kg e outros 15 com 20 quilos.

Além do problema com a suspensão dos abates de suínos no frigorífico Alibem de Santo Ângelo e Santa Rosa, também o frigorífico Callegaro que abate bovinos começa a sentir o reflexo da mobilização dos caminhoneiros.

Lissandro Callegado, diretor comercial ao conceder entrevista pela manhã no programa Aldeia Global, confirmou que os abates estão suspensos hoje e também amanhã. O frigorífico abate diariamente 300 bovinos e acumula nesta semana um prejuízo de 2 milhões e 500 mil reais.

A chegada de cargas vivas também está suspensa. A última foi no dia de ontem, porém os animais foram soltos no potreiro da indústria. Callegaro frisou que só nesta semana, o frigorífico deixou de abater 900 animais.

Da frota de 21 caminhões baús que distribuem carne bovina em vários municípios do interior, muitos estão parados nos bloqueios. Dois caminhões que estavam em Porto Alegre e Caxias do Sul, não conseguiram descarregar e voltaram a Santo Ângelo.

Conforme Lissandro Callegaro, essa carga precisou ser desossada e congelada. A capacidade das câmaras frias do frigorífico é de armazenagem de 800 bois. Atualmente estão em estoque 300 animais. O abastecimento de carne bovina está apenas garantido na cidade de Santo Ângelo. 

 

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.