\\\”Farei o que tem de ser feito\\\”, diz corregedor da Assembleia sobre Basegio

NULL
Lucas de Campos 9 junho, 2015 Fonte:

As suspeitas envolvendo o deputado Diógenes Basegio (PDT) já estão na mesa do corregedor-geral da Assembleia, Marlon Santos, para análiseDo mesmo partido de Basegio, Santos tem até cinco sessões legislativas (ou seja, até a próxima quarta-feira) para apresentar uma posição sobre as supostas irregularidades, mas afirma que pedirá a prorrogação do prazo.As suspeitas incluem indícios de extorsão de assessores, de falsificação de notas para a obtenção de diárias e de adulteração do odômetro (aparelho que mede a quilometragem) de veículos para aumentar ganhos com combustível. A postergação pode ser, no máximo, de mais cinco sessões. Com isso, Santos terá até 1º de julho para concluir o trabalho. Ele poderá pedir o arquivamento ou a representação do caso à comissão. Se optar pela segunda hipótese, poderá sugerir até a cassação do deputado.Em sua página no Facebook, Santos fez um desabafo nesta terça-feira. No final, escreveu o seguinte:\\\”Hoje estou Corregedor Geral da Assembleia, e, ainda, Ouvidor Geral da Casa. De repente, me deparo com situações de denúncias envolvendo um amigo deputado. Aí vem a questão: fazer o quê? Fazer o que é justo. Sem dar ouvidos para ilações de que questão partidária poderá poluir o processo, ou que a amizade influenciará qualquer decisão. Com certeza a ética falará mais alto, doa a quem doer. Esse é o ônus.\\\”

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.