Decisão da justiça impede sacrifício de animal com mormo no Entre-Ijuís

Animal com mormo será sacrificado no Entre-Ijuís
Lucas de Campos 4 abril, 2016 Fonte:

A Secretaria Estadual de Agricultura acionou seu departamento jurídico para tentar reverter à decisão da Justiça de Santo Ângelo que concedeu semana passada uma liminar, impedindo o sacrifício de uma égua que foi detectada com a doença do mormo em uma propriedade do interior do município de Entre-Ijuís.

A informação foi confirmada hoje pela manhã através do médico veterinário, Luiz Claudio Coutinho, chefe da Inspetoria de Defesa Agropecuária de Santo Ângelo. Coutinho contou que foram feitos três exames no equino e todos deram positivos.

Lembrou que no mês de janeiro a 17ª Supervisão Regional de Agricultura com sede em São Luiz Gonzaga, recebeu resultado positivo desse animal para o mormo do exame de triagem (fixação de complemento) realizado por um laboratório particular.

Com esse resultado, a Inspetoria coletou nova amostra de sangue da égua, e um segundo exame de triagem foi feito no laboratório oficial do Ministério da Agricultura que fica em Belém do Pará. Esse segundo exame também foi positivo para o mormo.

“A partir desses resultados positivos, o serviço veterinário fez no dia 21 de março o exame de maleína – que consiste na aplicação de substância alergênica na pálpebra inferior do animal e que em 48 horas obtêm-se a confirmação ou não doença. Esse exame também deu resultado positivo”, observou Coutinho.

O médico veterinário disse que depois do teste de maleína, o produtor foi notificado para que no dia 24 de março, quinta-feira santa seria realizada, o sacrifício da égua, dentro do que determina a Legislação de controle de zoonoses.

No entanto, no mesmo dia e horas antes do sacrifício do animal, proprietário buscou guarida no Poder Judiciário, onde conseguiu medida limar impedindo o abate.

A Justiça determinou que fosse feito um exame PCR – coleta de sangue do animal para comprovar dosagem de proteína “C” reativa, que certifique a presença de infecção bactéria devido a processo inflamatório.

Diante dessa nova situação, diz o veterinário Coutinho que ficou definido que as despesas serão pagas pelo proprietário e o exame seria acompanhado pelo serviço veterinário oficial, o que ainda não ocorreu.

No entanto, o chefe da Inspetoria de Defesa Agropecuária, ressalta que o teste de maleína é o exame confirmatório para doença do mormo em todo território brasileiro, aceito pelo Ministério da Agricultura, enquanto o PCR não tem validade. O médico veterinário explicou ainda que o teste de maleína é utilizado em mais de 180 países para o saneamento de rebanhos equinos e pela Organização Internacional de Defesa Sanitária Animal.

 

© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.