Contra o Funrural, produtores vão a Brasília no dia 4 de abril

Produtores vão a Brasília no dia 4 de abril protestar contra o FUNRURAL. Foto:SESCAP.
bernardi 19 março, 2018 Fonte: Aprosoja-GO

Está marcada para o dia 4 de abril de 2018, em Brasília, uma grande manifestação contra o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). Produtores de todo o Brasil estão sendo convocados por seus sindicatos rurais e associações a se mobilizarem pela causa.

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Goiás (Aprosoja-GO) já confirmou presença na manifestação. Segundo o presidente Bartolomeu Braz Pereira, a insatisfação das bases em relação à cobrança retroativa do Funrural é unânime. “Essa questão vem atormentando todos os produtores do Brasil desde aquela votação [em 29/03/2017] que foi surpreendente, aonde o Supremo reverteu uma decisão de 11 a 0 para 6 a 5.”

No final deste mês, faz um ano que os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) realizaram um novo julgamento sobre a validade da contribuição ao Funrural e, por 6 votos favoráveis, decidiram que o recolhimento é constitucional.

Desde então, a Receita Federal começou a notificar produtores que não vinham recolhendo o Funrural, embora estivessem amparados pelo julgamento anterior do STF que havia declarado por unanimidade a inconstitucionalidade do fundo. Agora que está precisando de recursos para melhorar as contas públicas, o governo quer a cobrança retroativa do Funrural, o que pode levar milhares de propriedades ruraisà falência.

Ação no STF

A Aprosoja e outras entidades do setor rural entraram com recurso no STF e vêm pressionando os ministros para que façam a modulação do julgamento,indicando se essa cobrança sobre o passado é realmente válida. Para acabar com o passivo do Funrural, os produtores precisam de oito votos favoráveis, mas essa votação não tem previsão de acontecer.

Em paralelo, o governo federal criou o Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), que permite o parcelamento dos débitos daqueles produtores que deixaram de recolher o Funrural. Porém, as condições de adesão e os juros Selic sobre o refinanciamento tornam a dívida impagável na opinião dos produtores. Foi diante desse contexto que surgiu o Movimento Abril Verde e Amarelo, que será realizado no dia 4 de abril, em Brasília.

O Sindicato Rural de Jataí-GO é uma das entidades idealizadoras da manifestação. Segundo o presidente do sindicato, Vitor Gaiardo, a ideia de promover o movimento veio da conclusão de “que não dá mais para esperar ninguém resolver o nosso problema”. “Entendemos que a decisão agora está na mão do STF. Por isso, nós tomamos a decisão de que teríamos que fazer um movimento muito forte, direcionado justamente ao STF numa tentativa de sensibilizá-los pela gravidade que é tornar constitucional essa cobrança retroativa do Funrural”, afirmou.

Movimento Abril Verde e Amarelo

Além de apresentar os impactos que o passivo do Funrural pode causar ao setor agropecuário, o Movimento Abril Verde e Amarelo quer mostrar força e união dos produtores brasileiros. Por isso, o objetivo é fazer um movimento da família rural, com participação de homens, mulheres e seus filhos.

A recepção das comitivas começa na tarde da terça-feira, dia 3 de abril, no Ginásio Nilson Nelson e no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Na manhã de quarta-feira, dia 4 de abril, as entidades participantes do Movimento vão apresentar suas pautas.

Após o almoço, terá início a passeata até a frente do Congresso Nacional, onde será lido o Manifesto Abril Verde e Amarelo. Esse documento será entregue à Câmara dos Deputados, Senado Federal, Presidência da República e Supremo Tribunal Federal. Também está prevista uma audiência com a presidente do STF, ministra Carmem Lúcia.

Pela proximidade com Brasília, os produtores de Goiás tem a grande responsabilidade de marcar presença maciça no Movimento, reforça o presidente da Aprosoja-GO. “Está na hora de nós, produtores rurais, estarmos em Brasília no dia 4 de abril junto ao STF, mostrando a nossa indignação com essa situação que vem acontecendo que é o Funrural, uma dívida que é impagável. O único meio de a gente tentar reverter e, quem sabe é a última chance que teremos, é nessa manifestação”, conclama Bartolomeu.

Dezenas de sindicatos rurais de Goiás também já confirmaram presença e estão disponibilizando transporte até Brasília. Procure o Sindicato de seu município para se informar e, caso ainda não tenha aderido ao movimento, cobre a participação. Quatro de abril pode entrar para a história como o dia em que os produtores rurais do Brasil, unidos, conseguiram encerrar de vez esse capítulo nefasto da agropecuária brasileira chamado Funrural.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 26 maio, 2019

    Abelhas nativas em extinção são criadas na cidade

    As abelhas nativas sem ferrão conhecida como meliponas são as espécies mais ameaçadas de extinção. ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 25 maio, 2019

    Produção de mel sofre queda no Rio Grande do Sul

    Com a colheita do mel da florada de outono praticamente concluída no Estado, a Federação ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 25 maio, 2019

    Especialista alerta que mortandade das abelhas poderá afetar a cadeia produtiva de alimentos

    A mortandade de abelhas é um fenômeno mundial. No Brasil a situação não é diferente. ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.