Chuvas prejudicam alimentação dos rebanhos gaúchos

Sepé Tiaraju 20 julho, 2018 Fonte: Emater
A longa sequência de dias chuvosos, as baixas temperaturas e a baixa incidência solar vêm prejudicando o pleno desenvolvimento das pastagens, que têm sofrido com a excessiva umidade e o pisoteio dos animais. Apenas a aveia está com bom desenvolvimento até o momento, caracterizando um período de escassez de oferta de alimento volumoso. De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, essas condições exigem do produtor gaúcho atenção na alimentação dos rebanhos, pois descuidos podem elevar o custo de produção e/ou incorrer em atraso na obtenção do peso esperado.

A rebrota do campo nativo e das pastagens cultivadas está muito lenta, sendo necessário fornecer sal mineral para melhorar o aproveitamento do campo nativo que perdeu qualidade. Há necessidade de ajuste de lotação animal de acordo com a oferta forrageira. Nos Campos de Cima da Serra, predomina a criação extensiva dos bovinos de corte, que sentem a incidência do frio no desenvolvimento das pastagens e têm apresentado perdas corporais.

Na bovinocultura de leite, a grande quantidade de água no solo, em função do longo período de chuvas, prejudica o manejo dos animais durante o pastejo e a condução para a ordenha. Além da redução na produção, o custo aumenta pelo uso de mais silagem e de rações concentradas. Preocupa a situação de produtores que não fizeram uma boa reserva de silagem, o que pode comprometer a alimentação dos rebanhos até a primavera.

Ovinocultura – Para os rebanhos que foram encarneirados no cedo, está em fase final o período de gestação das ovelhas, com cerca de 40% de parição. Porém na região das Missões, acredita-se que mais de 90% das matrizes já tenham parido, permitindo que os primeiros lotes de cordeiros sejam comercializados em novembro.

No geral, os rebanhos ovinos apresentam condição corporal razoável, porém os animais estão perdendo peso devido à baixa qualidade e à pouca quantidade do pasto nos campos nativos. Alguns rebanhos estão parindo em pastagens de aveia e azevém e os cordeiros vêm apresentando um desenvolvimento razoável. Produtores relatam a morte de cordeiros devido aos rigores climáticos e pelo ataque de javalis, zorros, caranchos e outros predadores. Os trabalhos com cordeiros recém-nascidos estão redobrados nos dias de chuva.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 13 outubro, 2018

    Embrapa desenvolve fertilizante orgânico nitrogenado

    A Embrapa Agrobiologia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária sediada no Rio de Janeiro, ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 12 outubro, 2018

    FecoAgro/RS acredita que produtor inicie plantio no cedo

    A previsão das cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul é que nesta semana deve ser ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 11 outubro, 2018

    Laurindo Nikititz é eleito novo presidente do Sindicato Rural

    Laurindo Nikitiz foi eleito novo presidente do Sindicato Rural de Santo Ângelo. A eleição, que ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.