Casos de toxoplasmose em Santa Maria deixa em alerta Ministério da Saúde

Transmitida pelas fezes contaminadas do gato, na maioria das vezes, a toxoplasmose não provoca sintomas - Foto: Agência Brasil
Sepé Tiaraju 29 abril, 2018 Fonte: Agência Brasil

Praticamente dobrou o número de casos de toxoplasmose em Santa Maria de 51 a 105. Também há o registro de duas mortes fetais em gestantes com diagnóstico de toxoplasmose aguda.
O prefeito Jorge Pozzobom confirmou que o Ministério da Saúde enviou uma equipe de profissionais à Santa Maria para ajudar na investigação da origem do surto de toxoplasmose. A diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Marilina Bercini, afirmou que chega a 262 o total de casos suspeitos da doença.

TOXOPLASMOSE
Transmitida pelas fezes contaminadas do gato, na maioria das vezes, a toxoplasmose não provoca sintomas. Tanto que, em 80% a 90% dos casos, os infectados nem sabem que têm ou tiveram a doença. Porém, em alguns momentos, a doença pode representar grande risco como no caso da infecção de mãe para feto.

“Se a grávida pegar a toxiplasmose pouco antes de engravidar, ou durante a gravidez, ela pode passar a doença para o bebê. No primeiro trimestre da gravidez, o bebê é muito bem protegido, então a chance de pegar é pequena, cerca de 10%. Mas, se pegar, a chance de aborto é muito grande. No segundo trimestre, a chance de passar para o bebê já é 30%, mas a chance de lesão grave é menor, chega a 2%. No terceiro trimestre, as chances de passar para o bebê são de 60%, mas as lesões são muito menos importantes”, explica a infectologista do Departamento de Pesquisa do Hospital Federal dos Servidores do Estado, Jacqueline Menezes.

Ainda de acordo com a especialista, as três formas de contágio da toxoplasmose são: contato direto com as fezes de gatos, ingestão de hortaliças ou carnes mal passadas contaminadas e ingestão de água contaminada. Os sintomas da doença são parecidos com os da dengue: febre, mal estar, dor no corpo, dore de cabeça e ínguas no pescoço.

Para quem tem gato em casa, principalmente gestantes, o infectologista Rodrigo Caldas Menezes sugere os seguinte cuidados:

– oferecer ração e água filtrada (ou fervida) para os bichinhos. Caso queira oferecer carne, certifique-se de que ela está bem cozida;

– sempre usar a caixa de areia e limpá-la diariamente. Grávidas e pessoas com problemas de baixa imunidade não devem fazer esta limpeza. Em caso de necessidade absoluta, devem usar luvas;

– evitar que o gato saia do domicílio para caçar;

– realizar a castração do animal, o que causa um efeito comportamental, diminuindo a saída deles à rua.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    MP apura denúncias de seis países diferentes contra João de Deus

    A força-tarefa criada pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) apurou denúncias de abuso sexual contra ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    COP25 será realizada no Chile em 2019

    O Chile será o país-sede da Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas, a ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 15 dezembro, 2018

    Fepam inicia divulgação das condições de balneabilidade no estado

    A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) lança, neste sábado (15), o Projeto Balneabilidade 2018-2019. ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.