Cartório realiza auditoria em urnas para reafirmar segurança no sistema

Sepé Tiaraju 22 outubro, 2018 Fonte: A Tribuna

Na sexta, 19, pela manhã foi realizada uma auditoria em duas urnas no Cartório Eleitoral. O trabalho teve o acompanhamento de representantes de partidos, OAB, imprensa, eleitores, mesários e autoridades. As urnas auditadas foram a 310 da Escola Carlos Kruel em Entre-Ijuís e a 286 que fica no Iesa em Santo Ângelo.
Conforme a chefe do Cartório Eleitoral, da 45ª Zona, Marivani Gonçalves Medeiros, as urnas possuem uma série de mecanismos de controle que garantem a segurança do processo. Nas duas urnas auditadas, não foi encontrado nenhum problema.
O juiz eleitoral Luis Carlos Rosa, ressaltou que devido a algumas reclamações e impugnações que houveram durante o pleito no Brasil inteiro e no Estado, o TRE recomendou que todas as urnas que teve algum tipo de impugnação, fosse realizada auditoria. Segundo o juiz o objetivo era mostrar os movimentos que foram feitos na urna. “E desmitificando algumas coisas ali que daqui a pouco as pessoas estavam desconfiando do procedimento”, diz.
Conforme Luis Carlos Rosa entre os problemas que ocorreram no dia basicamente foram de não aparecer a foto do candidato “que é uma coisa recorrente e que a gente justifica isso com uma possibilidade de o eleitor ter confirmado o voto antes de aparecer a foto”, afirma e completa: “alguma questão que os eleitores disseram que não conseguiram votar no candidato. Então a gente mostrou que todos os candidatos que estavam habilitados para receber votos estão na urna e o procedimento que foi feito”.
Conforme Rosa, algumas pessoas procuraram o Cartório Eleitoral no dia da eleição reclamando que queriam votar num candidato, mas que ao digitar o número não aparecia na urna. Porém, o candidato citado era de outro estado, e por isso o eleitor não conseguiu votar naquele candidato. “As urnas estão carregadas com os candidatos que concorreram a câmera federal pelo Estado do Rio Grande do Sul, senadores pelo estado do Rio Grande do Sul e ai se digita um número errado não vai aparecer mesmo”, fala.

BIOMETRIA
O juiz também confirmou que devido a biometria em alguns casos a votação demorou mais. “É máquina e as vezes as condições da digital da pessoa não são captadas pela máquina e ai a gente faz quatro tentativas para captar a digital e claro se não conseguir captar a digital, desde que a pessoa tenha feito o processo biométrico, nós temos uma forma de fazer o voto que é o presidente da mesa habilitando a pessoa a votar”, relata.
De acordo com Rosa, ninguém deixou de votar devido a biometria não ter funcionado, “mas em alguns casos a biometria realmente não funcionou numa primeira, tentativa, as vezes não funcionou numa segunda, terceira e quarta e ai demorou”.
Também houve situações em que mesmo o eleitor não tendo feito biometria, votou com o voto biométrico. O juiz afirma que isso aconteceu devido ao TRE ter feito um convênio com o Instituto Geral de Perícias (IGP), onde se faz carteira de identidade. Com isso quem tem a digital registrada no IGP, os dados migraram para o TRE “muitas pessoas que não fizeram a biometria, estão com a biometria registrada”.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 22 maio, 2019

    Escritório de Osmar Terra em Santa Rosa é pago com verba da Câmara

    O aluguel do escritório político do ministro da Cidadania, Osmar Terra, em Santa Rosa, é ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 22 maio, 2019

    Otomar discute com deputados emedebistas desestatização de empresas

    A bancada do MDB foi recebida na manhã desta terça-feira (21/5) pelo secretário-chefe da Casa ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 21 maio, 2019

    Falta de quórum impede votações no plenário da Assembleia Legislativa do Estado

    Pela segunda semana seguida, não houve votações no plenário da Assembleia Legislativa. Nenhuma das matérias ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.