Admiradores e tradicionalistas homenageiam Paixão Côrtes

Foto: G1/RS
Sepé Tiaraju 29 agosto, 2018 Fonte: Palácio Piratini

O velório do tradicionalista gaúcho Paixão Côrtes, que faleceu aos 91 anos, iniciou na manhã de terça-feira (28) cercado de luto e comoção dos familiares, amigos, admiradores e do círculo do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). O corpo chegou ao Palácio Piratini por volta das 8h e as despedidas no Salão Negrinho do Pastoreio estavam reservadas aos familiares. Às 10h, foi aberto ao público e imprensa. O governo estadual decretou luto oficial de três dias.

Venerado como precursor do folclore e das tradições da cultura do Rio Grande do Sul, Côrtes – simbolizado como o ‘Eterno Laçador’ – universalizou a cultura gaúcha além das fronteiras. Quando o governador José Ivo Sartori chegou pela manhã, acompanhado por secretários estaduais, o ato fúnebre concentrava em torno de 150 pessoas. O corpo do tradicionalista foi velado até as 17h e o sepultamento ocorreu no final da tarde, no Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre.

Sartori manifestou seu pesar àquele que preservou as tradições da indumentária, da poesia, música e tradição do povo do Rio Grande. “Fica a marca de um símbolo, de alguém que criou o folclore gaúcho e que construiu a imagem de nossos costumes, seja na música, na dança, nos CTG’s, nas cavalgadas, nos rodeios”, declarou.

Côrtes estava internado no Hospital Ernesto Dorneles há 41 dias e morreu às 14h05 dessa segunda-feira (27). Ele estava na UTI recuperando-se de complicações após cirurgia de fêmur, consequência de uma queda.

Em número expressivo, os representantes de MTG’s e instituições tradicionalistas prestaram homenagens ao longo do dia, reverenciando Paixão Côrtes com preces, recitais e adornando o ambiente do Piratini com coroas de flores e imagens do ícone gaúcho. O mastro da bandeira riograndense segue em meia-haste na sede do governo. A prefeitura de Porto Alegre e a Câmara de Vereadores também decretaram luto oficial de três dias.

Presente no velório, o músico Renato Borghetti mostrou-se emocionado diante da perda de um de seus referenciais tradicionalistas. “Tive o prazer e a honra participar de seu convívio, de conhecer seu legado, respeitando e admirando o personagem que contribuiu e deixou a marca da cultura gaúcha”, enfatizou. O escritor, compositor e publicitário Luiz Coronel lastima a perda daquele que mais zelou pela tradição e folclore do Sul do país. “O Rio Grande seca as lágrimas no lenço rubro do Laçador”, versa um poema.

Natural de Santana do Livramento, o compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha João Carlos D’ávila Paixão Côrtes era engenheiro agrônomo, mas dedicou-se à pesquisa da cultura, hábitos e costumes populares do RS. Tornou-se símbolo de Porto Alegre ao servir de modelo, em 1954, para a Estátua do Laçador, do escultor Antônio Caringi. Em 2017, o folclorista anunciou seu afastamento da vida pública.

Notícias Relacionadas

  • Sepé Tiaraju 16 fevereiro, 2019

    Região das Missões Jesuíticas Contará com Ponte Binacional

    O projeto de uma ponte binacional sobre o rio Uruguai, na divisa do Brasil com ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 14 fevereiro, 2019

    FENASOJA e ExpoGiruá trocam experiências sobre as feiras

    Na quarta-feira, 13, a Comissão Central da FENASOJA 2020 recebeu no Parque de Exposições de ...

    Leia mais >
  • Sepé Tiaraju 10 fevereiro, 2019

    RGE realiza 126 mil inspeções na rede elétrica em 2018

    As equipes da RGE realizaram, em 2018, 126 mil inspeções nas suas redes de energia ...

    Leia mais >
© Copyright 2017, Todos os direitos reservados.